Categorias
CLC Time Machine

Time Machine: CLC está uma bagunça sem fim em High Heels

E aí, meu povo, como estão? Vamos voltar ao passado do CLC em que tudo continuou não dando certo?

Esse comeback era para ser o primeiro com as duas novas integrantes. Contudo, como a Eunbin ainda estava no Produce 101, ela não pode participar, ficando apenas a Elkie como integrante nova, por enquanto. Para mim, se a CUBE tivesse esperado mesmo a Eunbin, essa era não teria sido tão bagunçada, mas já que a equipe de planejamento dessa empresa não funciona, vamos comentar o que realmente é importante.

High Heels era um dos vários aegyo que desovavam na Coreia do Sul. A melodia entrega sintetizadores muito bem distribuídos, com grande presença do jazz no instrumental, dando um ar mais retrô, embora abraçasse uma onda presente no Kpop. A faixa é super divertida, e mesmo aqueles que não gostam do estilo podem achar alguma coisa para gostar (Até porque o conceito aegyo acaba sendo “cringe” pelo visual, pois sem o MV, é mais um jazz mais fofo).

Sobre esse MV que está linkado, ele só foi lançado após a eliminação da Eunbin do Produce, pois antes não poderiam usar a imagem dela, então a CUBE lançou uma versão curta, que só mostrava a cara das 6 integrantes, além de umas cenas muito nada a ver. O clipe era o esperado: as meninas estão totalmente vestidas a carater de vestidos coloridos, saltos altos ou tamancos, mostrando toda a alegria que podem expor.

O terceiro mini álbum coreano das meninas já vinha com as 7 integrantes na capa. Ele começa com Refresh, a faixa que dá nome ao EP, ela é uma midtempo mais calma, com uma pegada mais R&B, mais jazz, uns vocais bem mais destacados do que na title, melismas que combinam com a faixa, dando um ar acolhedor. Combinando ao ritmo de jazz, seria uma faixa de barzinho de jazz naqueles momentos de calmaria.

Com Yaya (Say bye to solo) é uma faixa mais animada, mantendo um ar mais R&B, mesclando bastante uma pegada banda de fanfarra. Com isso, conseguiram colocar um rap legal da Yeeun, que não ficou deslocado, que até aqui era uma característica marcante do grupo.

Um hino a friendzone, temos Friend Lover Zone, uma faixa divertida, que traz bastante aspectos do retrô, é uma faixa que chega a ser divertida, mas eu tenho algo estranho com ela, se é o saxofone perdido no pré-refrão, ou se a vibe dessa faixa que não me agrada.

Por fim, Eighteen é uma midtempo mais enérgica. Ela traz um foco bem forte de jazz, tanto que dá para saber facilmente que se fosse uma title, seria um MV mais sensual, algo bem Something do Girl’sDay. Agora, se a letra conversa com esse estilo, eu já não sei

O mais interessante do grupo são como as faixas sempre se conversam, independente se você gostar ou não. Por hora, se a CUBE já quisesse mudar a sonoridade das meninas, mesmo que lentamente, era pegar essa Eighteen e lançar um performance vídeo mais sensual, condizendo com a idade das meninas por exemplo. Mas como é passado, vamos apenas revisitar e esperar as cenas dos próximos capítulos do grupo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s