Categorias
Girls'Generation/SNSD

Time Machine: O primeiro Full Álbum do Girls’Generation, com Kissing You, Baby Baby e Girls’Generation

E aí, meu povo, como estão? Bora aproveitar os 15 anos de carreira das meninas?

Girls’Generation demorou para engatar a primeira, o debut foi muito bom, até hoje é aclamado, mas na época não foi, e com o não tão sucesso, SooMan botou as meninas para arrancarem os empregos de qualquer um, já que socou geral em atuação, talk show, programas de variedade, corte e costura, ajudando ONGs de rua, venda de podrão na rua, e tudo mais que os staffs das meninas conseguiram pensar.

E finalmente veio o primeiro full álbum delas, que como todo LP da empresa, teve o seu repacked também, e aqui já vou abraçar os dois para fazer uma pauta bem maior mesmo. Afinal, é para comemorarmos os 15 anos do grupo mesmo.

Para quem entregou O hino com Into The New World, Kissing You, para mim, foi uma decepção. A faixa é aquele white aegyo angelical que alguns já tentavam na época, mas nada que fosse aquele estouro com Apink, exemplo. A faixa não apresenta uma explosão no instrumental realmente dita, o refrão acaba sendo linear, sendo só aquela união de vocal das meninas.

O instrumental ainda tem um quê de orquestra, e isso acaba dando um diferencial, mesmo não empolgando tanto. E disso, podemos citar que Taeyeon sempre foi a dos high notes, já que ela engoliu aqui todos os que apareceram.

E o MV, espero muito que a SM remasterize futuramente, porque é chatinho ver a câmera com esse efeito de embaçado, é bem simples, são as meninas dançando num fundo branco aqui, colorido ali, parecendo cenário de Bom Dia & CIA. E fala sobre amor, romance, tem o padrão que elas se apaixonam, nossa que lindo é a vida da jovem adolescente que vive de fanfic.

Vocês falam tanto do AESPA, mas o SNSD também vivia fazendo 1001 regravações (Mas eu sei que o Aespa deu uma extrapolada legal). E isso é com a faixa Girls’Generation. Lembrando que na época o grupo era only Sonyeo Sidae, e o caos que foi quando a SM anunciou que o grupo se chamaria SNSD por conta do Japão e Girls’Generation para o mundo, a fanwar dentro dos Sones para saber se você era Sone de qual época do grupo.

Mas voltemos à faixa, a música tem aquele quê de Into The New World, ela carrega um sentimento emotivo e de superação, a faixa é intensa, mas não digo o mesmo da letra, que fala de um relacionamento jovial, em que o macho é o babaca e ela a vítima, bem fanfic do Wattpad, mas isso combina com a época, todo mundo passava por um amor desses, o que é foda é a letra ser tão basic para uma música excelente.

O instrumental tem o ar de banda com synthpop, o teclado lá tocando e explodindo depois do refrão é uma delícia de ouvir. E a SM aproveitou isso para socar um conceito de banda nas meninas, intercalando com cenas de um photoshot (Que eu mesmo faria isso para colocar as vezes em algum MV), e as cenas de dança, com Girls’Generation estampando em todos os moletons.

E a SM, como não é boba, meteu um repacked também, usando Baby Baby como single oficial, mas aí a preguiça (E a falta de orçamento) para fazer novas gravações, pegou o BTS de todos os clipes anteriores e colocou junto, mais umas cenas aleatórias que gravavam de Fansigning e Fanmeeting.

Quanto à faixa, ela se constrói em cima de um pop bubblegum mais simples, calminho, com sintetizadores ao fundo de forma melodiosa, com uma calmaria, passando mesmo um ar mais calmo para quem está ouvindo.

E agora vamos comentar das álbum tracks desse álbum. Começando com Ooh La-La, é uma faixa meio funky com bubblegum, é uma faixa que grita um aegyo mais retrô, lembra até as faixas que a XUXA socava às vezes nos álbuns para botar as crianças para dançar de qualquer forma, é uma faixa gostosinha de ouvir. Já com Complete, o álbum dá uma desacelerada, colocando uma melodia mais calminha, ainda com sintetizadores em cima de um toque orquestral, é basicamente aquela música de final de show para geral chorar.

Merry-go-round é uma faixa emotiva, ela carrega ainda bem o estilo de Complete, é uma faixa mais melódica e menos triste, ela é interessante, com uma força bem maior no gogó mesmo. O refrão é uma delicinha, dá para colocar as meninas em volta de uma fogueira enquanto assam marshmellows. Com Tears, elas se entregam ao baladão vocal mesmo.

TinkerBell segue a mesma estrutura e instrumental que Tears, mas aqui elas gritam com um pouco mais nos sintetizadores, a faixa não chega a ser tão triste, mas é aquele tipo de OST de final de créditos. 7989 é um duo entre a Taeyeon e o Kangta (Ele mesmo, o cantor oficial do hino nacional de Kwangya). Se fosse hoje, provavel que esse duo seria um inferno na terra, porque era dois acts em um duo da mesma empresa e a SM estaria mostrando favoritismo pela Tae (E vamos fingir que realmente não aconteceu).

E o álbum principal encerra com Honey, um popzinho delicioso com um violão de fundo. Eu colocaria Complete aqui, na verdade. Honey lembra faixa de alguma temporada de Malhação.

O repacked foi mais para socar dois remixes de Into The New World e um remix mais rock de Kissing You, mas a gente sabe que isso só faz barulho em um nicho do nicho da fanbase. Pior que o remix de Kissing You deu de 10 a 0 no original.

E para um primeiro full álbum, eu por ser fã, sei reconhecer que ele é super fraco, ainda mais quando olhamos o fucking Holiday Night, mas assim, depois de 10 anos elas lançaram um álbum 100% bom para ótimo, mas esse primeiro álbum delas não é de se jogar fora, o dia que eu só quero ouvir músicas delas, é ótima para isso, então é sempre ponto positivo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s