Categorias
CLC Time Machine

Time Machine: O dia em que a CUBE jurou mesmo que o CLC daria certo com Devil

E aí, meu povo, como estão? E como estão essas pautas por aí?

Então, esse ano o CLC completa seus seis anos de grupo… Ou acho que completará, pois não creio que a CUBE manterá o grupo ativo nominalmente até o dia 09 de março (E não é que manteve? Essa pauta foi escrita em janeiro). Mas se deixar, então elas completarão essa idade. Com isso, vamos fazer aquela comemoração simbólica de visitar os singles e álbuns antigos delas. Creio que acabarei visitando toda a carreira das meninas, com o intuito de preencher vocês com time machines (Como eu disse, qualquer pauta que eu já deixe pronto para dias em que não chegarei perto do PC é lucro).

Devil veio após 3 lançamentos com o conceito tryhard urban que as meninas souberam realizar muito bem. Depois de Black Dress, No e Me, Devil seria mais um pré-release, ou até mesmo uma follow-up de um EP, do que um single de trabalho, tanto que a quebra do estilo para o público internacional desagradou muitos, menos eu aqui, pois cadelinha do CLC com força desde Hobgobling. Mas se pensarmos que elas teriam um La Vie en Rose na discografia, essa ideia de CUBE de fazer um grupo multiestético (Mesmo depois de 5 EPs no aegyo), não pareceria tão sem senso.

Nesse single, elas praticamente voltaram para o que entregaram lá no debut com Pepe, um ritmo retrô, bem divertido, e que trabalhava com uma letra girl power, independente do gênero que elas tinham no instrumental. A faixa possui uma construção bem básica, não tem tantas variações o timbre, muito menos aquele drop intenso para a Yeeun soltar o rap.

O MV conseguiu ser o mais básico delas em tempos, desde cenários até mesmo em figurino, nada tão esplêndido ou explosivo como foi em Me. Porém, uma coisa que nunca temos falhas com o CLC é o carisma das meninas, que carregam tudo com força (Até a Eunbin que eu acho a mais apática do grupo, consegue ter mais carisma que metade dos idols lá de Seoul).

O detalhe dessa faixa que a CUBE não soube trabalhar foi com as promoções. Além de uma semana amenos por causa das promoções do (G)I-dle no Queendom, eles perderam o hype com o quase viral que a faixa foi. Óbvio que não podemos dizer se uma faixa é ou não um viral, mas na época, o single nas plataformas coreanas apresentavam uma crescente intensa, e uma semana amais de promoções poderia fazer entrar, se não me engano, em um TOP 30 de lá.

Além de que a CUBE demorou liberar o single nas plataformas digitais internacionais. E sabe o que aconteceu quando liberaram? Segundo lugar, ficando apenas atrás de ME delas mesmo, que também foi posta ao mesmo tempo. E elas só saíram do TOP 1 e 2 porque o BTS lançou o full álbum deles do ano passado e tomaram conta dos 20 primeiros lugares.

Mas não podemos pedir para a CUBE fazer coisas lógicas. E eu, como Cheshire, apoiarei as meninas para o que elas seguirem, e saindo da CUBE, eu quero que aquela empresa entre em falência, com todas elas arrancando todo o dinheiro que conseguirem por meio de processos.

9 respostas em “Time Machine: O dia em que a CUBE jurou mesmo que o CLC daria certo com Devil”

Ah, Cube… tão competente em alguns casos, tão desleixada em outros. Infelizmente o CLC quase sempre fica aos cuidados do lado desleixado da agência. Uma pena, considerando o potencial dessas moças.

Falando em potencial, não sei se você viu, mas Star, do LOONA, foi enviada pra algumas rádios nos EUA e está se saindo surpreendentemente bem, inclusive estando dentro de dois charts da Billboard (mas não do Hot 100, obviamente).

Talvez por isso, a BBC colocou elas pra pré-gravar uma performance de três músicas pra uma rádio em Chicago:

Adoro como elas nem tentam disfarçar o playback descarado em Why Not; é quase um retorno das vezes nos anos 90 em que bandas como Oasis e Blur eram obrigadas a fazer playback no Top of the Pops e paravam de fingir que estavam tocando os instrumentos ou cantando no meio da música, de propósito.

Em compensação, Fall Again e Star são ao vivo – quer dizer, tão ao vivo quanto possível numa performance pré-gravada -, e no caso de Star não há nem as bases de apoio que grupos de k-pop sempre usam.

Enfim, é legal ver que pelo menos em alguma parte do mundo elas são reconhecidas, mesmo continuando fracassadas na Coreia!

Curtido por 2 pessoas

Não tinha visto do Loona, mas se a BBC trabalhar muito bem, quem sabe o efeito BTS não cause cm elas, fazendo sucesso lá fora até pegar fama na Coreia do Sul

E pergunta, como o Loona é no Japão e na China? Pq são dois países que gostam de grupos grandes e tem uma boa quantidad e meios para tentar um holofote

Curtir

Muito pouco conhecidas, infelizmente, pelo que sei. A BBC já falou que pretende lançar o LOONA no mercado japonês, mas do jeito que a agência é enrolada, não sei se isso aconteceria ainda este ano (ainda mais com a pandemia) – mas se até o PinkFantasy conseguiu, não vejo por que o LOONA não conseguiria…

Inclusive se a BBC pudesse editar e lançar uns vídeos e materiais sobre o loonaverso, acho que o público japonês se interessaria bem mais por esse conceito do que o público coreano se interessou.

Curtido por 1 pessoa

Aliás, isso me lembra que em 2018 houve o rumor de que a Yua Mikami seria a 12a. integrante do grupo (o anúncio da entrada dela no k-pop coincidiu com os teasers pré-anúncio da Olivia Hye)…

Me pergunto se, caso isso tivesse acontecido, a presença da Yua seria um ponto a favor ou contra na tentativa de uma carreira no Japão. Na Coreia o pessoal escorraçou ela por ser uma atriz pornô, mas no Japão ela parece ser bastante querida e tem muitos fãs. E a presença de uma integrante japonesa poderia permitir uma identificação maior do público, como no caso da Nipônica Trindade do TWICE…

Curtido por 1 pessoa

entendo que hj a tendência é não ter tantos integrantes de diferentes países para evitar problemas diplomáticos (Tirando a SM, pq só ela para socar 50% da line-up do Aespa como chinesa e japonesa, e uma delas ser a main vocal… Mas pensando que desde o RV não tem integrantes jaonesas, seria o apropriado depois do F(X), mas é caso “isolado”0

Curtir

Ah, e voltando à repercussão de Star, um coral resolveu fazer um cover da música, e olha… pessoalmente, achei que ficou MUITO BOM:

É o LOONA aos poucos conquistando o mundo (enquanto continua flopado na Coreia).

Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s